Ponto de Vista
4

Luz, câmera e ação

Por Flávio Cavalcante Caro leitor… Depois de várias abordagens de alguns estudantes de teatro e dúvidas de alguns telespectadores, implorando um artigo sobre técnicas de teledramaturgia, como o ator deve se comportar diante da câmera de televisão, eis aqui as respostas para as mais variadas perguntas e dúvidas que envolvem esse mundo mágico da televisão. […]

Luz, câmera e ação

Por Flávio Cavalcante

Caro leitor… Depois de várias abordagens de alguns estudantes de teatro e dúvidas de alguns telespectadores, implorando um artigo sobre técnicas de teledramaturgia, como o ator deve se comportar diante da câmera de televisão, eis aqui as respostas para as mais variadas perguntas e dúvidas que envolvem esse mundo mágico da televisão.

Muitos atores fazem esta confusão de que estar num palco de teatro e atuar em televisão significa ser a mesma coisa. Que basta ter uma boa atuação sob os holofotes do palco de teatro no corpo a corpo com a plateia para ter o sucesso garantido diante do olhar crítico da câmera, o que nesse ponto concordo em gênero, número e grau. Aplicando algumas oficinas, percebi claramente que esta dúvida vai além de um total falta de informação. É bem verdade que a experiência do teatro contribui bastante para uma boa atuação na televisão; por outro lado, nem toda boa atuação na tv, significa que venha de fato segurar uma plateia no palco do teatro.

São duas vertentes diferentes que exigem do profissional, intimidade. No teatro obrigatoriamente, o ator tem que ser íntimo do palco e plateia. As expressões são em largas escalas e o ator precisa mostrar todo o seu potencial para uma plateia que na maioria das vezes é muito exigente. O ator de teatro carece de estar atento para os grandes fiascos que podem acontecer na hora do espetáculo e se sair das situações que por ventura podem comprometer todo trabalho da equipe que se entregou de corpo e alma para chegar até ali.

Na televisão, a sutileza é primordial e essa intimidade do ator se resume nos quatro campos da câmera. Esse contubérnio, é a comunicação através do olhar e toda expressão e gestos são explorados pelo estreitamento. Tudo é muito resumido.

Você caro leitor já deve ter percebido alguma cena de novela em que a câmera dá close na personagem. Nesse momento pode observar que o olho do ator não para de explorar os campos da tela e é mais intenso cada vez mais que o ator está bastante íntimo como as lentes dando um total realismo a cena proposta no roteiro.

Esta técnica não se aplica no teatro. A adrenalina é o tempero que faz o ator ficar íntimo com a plateia.

Já ouvi diretores de teatro falarem abertamente que não consideram atores que apenas fazem televisão, como artistas de fato. Acreditam eles que as artes cênicas é berço da interpretação. Até em conferências relatam que os grandes atores de televisão vieram dos palcos de teatro. É bem verdade, que a teledramaturgia difere bastante das artes cênicas. Fazer televisão qualquer um faz; não precisa ser ator para atuar em televisão. No teatro essa afirmação cai por terra e o ator precisa aplicar de fato o seu potencial, caso contrário, toda produção poderá deixar de ser um grande sucesso para deslizar na avalanche do fiasco.

Na televisão tudo gira em torno das técnicas, ao contrário das artes cênicas onde muitos diretores falam que se danem estas técnicas. Há ocasião que no teatro a técnica não funciona e o ator tem que enveredar pelo lado do improviso se quiser manter viva a chama do espetáculo.

No meu ponto de vista, televisão é igual a um liquidificador, pronto para fazer uma deliciosa vitamina. Se não prestar, joga-se fora e faz novamente. No teatro não há essa possibilidade quando o ator está em cena. A arte tem que está no sangue provando para A e mais B que a interpretação nos palcos de teatro é de fato para quem é, não é para quem quer.

Compartilhar:
  • mail

Escrito por Redação MeDiz

There are 4 comments

  • REGINA Aparecida Simões disse:

    O escritor faz um resumo nessa coluna como é a atuação do ator na Teatro e na televisão.Ele apresenta em detalhes as diferenças entre as artes cênicas e as emissoras q apresentam as novelas,e as séries brasileiras.
    O escritor cita como o ator deve se comportar no Teatro durante sua apresentação e faz o mesmo com a televisão nos mostrando como é um ator de Teatro e o da TV.
    Como ele mesmo cita nem sempre um ator de TV e necessariamente um ator de Teatro mas ao contrário um ator de Teatro sempre será um ator de TV. Claro q o ator tem q ser extremamente versátil nas duas interpretações, mas o q exigem deles é sem dúvida o Teatro pois eles estão ao vivo e as cores com a plateia e há interatividade entre ambose então toda a sua prefomance está sendo posto a toda prova.Na Televisão menciona o escritor q se não seguiu os padrões adequados o ator é descartado e outro entrará em seu lugar sem culpa ou remorso do diretor ou de quem quer que seja.

  • Maurício Cunha disse:

    Bela matéria!! Cada um no seu quadrado!

  • Heryca disse:

    Gostei da observação Parabéns

  • Maxwell disse:

    Um dia desses ouvi no radio sobre um filme em que levaram três dias para concluir uma cena de meio minuto, isso deixa bem claro que teatro não tem nada a ver com televisão, pra mim a qualidade do ator só é mostrada realmente no teatro e ponto.

  • Leave a comment

    Want to express your opinion?
    Leave a reply!

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *